Altcoin: Veja o que é e as diferenças para o Bitcoin

Conhece alguma altcoin? São criptomoedas alternativas ao Bitcoin, cada uma com a sua especificidade. Confira aqui como elas surgem e as principais.

Por
Equipe Coinext
1/12/2020
Altcoin: Veja o que é e as diferenças para o Bitcoin

O Bitcoin com certeza é um dos principais protagonistas da história recente do setor financeiro, mas e as moedas menores? Não podemos esquecer das Altcoins, as moedas criadas depois do Bitcoin e que trouxeram diferentes novos casos de uso e ferramentas para o setor financeiro. Durante a onda das ICOs em 2017, as altcoins ganharam grande notoriedade por suas variedades e possibilidades de investimento.

Com isso em mente, é importante entendermos o que são as altcoins, como elas surgem e qual é a vantagem de investir nesse tipo de ativo digital.

Como surgem as altcoins?

O Bitcoin foi criado com a liberdade em mente e isso também incluía a possibilidade de outros desenvolvedores utilizaram o código da moeda para criarem suas próprias versões. Com isso muitas pessoas criaram novas versões do Bitcoin (hard forks) e outras moedas com blockchains completamente diferentes (como foi o caso da Ethereum).

O termo Altcoin é a combinação das palavras Alternative e Coin, ou seja, é uma moeda alternativa ao Bitcoin. Mas muito além de ser um instrumento de investimento, muitas moedas nasceram para ter um caso de uso dentro de diferentes sistemas, funcionando com o combustível da blockchain.

Tecnicamente qualquer pessoa que tem conhecimento em programação e se interesse pela blockchain pode criar uma Altcoin. Claro que o sucesso dela depende de muitos outros fatores, mas o código do Bitcoin é aberto e pode ser alterado por qualquer comunidade.

Com isso, programadores do mundo todo passaram a criar altcoins para serem usados em seus projetos ou então criaram altcoins com o objetivo de tentar moedas com diferentes recursos.

Assim surge uma altcoin, com a necessidade ou vontade de criar algo novo dentro de um espaço financeiro que é completamente democrático e, no fim das contas, é totalmente baseado na oferta e demanda.

Quantas existem?

O número total de altcoins é difícil de ser determinado, já que muitas foram criadas, principalmente entre 2017 e 2018. O site CoinMarketCap, um dos maiores agregadores de dados sobre criptomoedas, aponta que existe mais de 7.600 altcoins. É um número realmente espantoso, mas vale mencionar que a grande maioria dessas moedas deram prejuízo para os seus investidores iniciais, sem contar muitas que acabam morrendo ou são simplesmente um golpe.

Infelizmente ainda é difícil saber quais altcoins possuem futuro ou se vale a pena o investimento. Mas há uma boa ferramenta de pesquisa para não cair em golpes, o Dead Coins é um agregador que conta com informações sobre diferentes altcoins e se elas já faliram ou se são golpes.

Dead Coins
O Dead Coins é um site com informações sobre diferentes altcoins

Mas claro, não é só tristeza quando falamos nas moedas alternativas. Muitos projetos acabaram dando muito certo e até tornaram vários investidores milionários “da noite para o dia”. Há várias altcoins com retorno de investimento na casa da dezena de milhar de valorização.

O mais importante é sempre pesquisar muito bem antes de investir e realizar a análise.

Bitcoin ou altcoins?

O Bitcoin é considerado por muitos como o rei do criptomercado e eles estão certos. O BTC provou ser a aposta mais segura dentro do mercado de criptoativos, se tornando aos poucos uma moeda usada como reserva de valor e até atraindo investimento institucional com esse mesmo objetivo.

No entanto, vale lembrar que as altcoins podem ser muito interessantes tanto pela possibilidade de ganhar com uma possível valorização ou então simplesmente porque ela possui características mais atraentes para certos tipos de uso.

Não é possível afirmar que apenas o Bitcoin é bom ou que determinada altcoin é melhor do que o Bitcoin. Tudo depende das oportunidades que cada uma possibilita e, como sempre, da pesquisa que você vai fazer antes do seu investimento.

Quais as principais altcoins?

Com mais de 7.600 altcoins é difícil saber quais são as principais, mas existem algumas que merecem destaque e atenção.

Ethereum

A primeira e mais importante é o Ethereum, a maior altcoin por capitalização de mercado e um dos projetos mais promissores de todo o setor. O Ethereum possui uma comunidade muito forte por trás dela e que defende a ideia. Foi a primeira blockchain com foco nos contratos inteligentes e nos Aplicativos Descentralizados, dando inicio à Blockchain 2.0 e várias aplicações.

Litecoin

Também vale mencionar o Litecoin, “a prata para o ouro do Bitcoin”. Essa altcoin foi criada como uma atualização do Bitcoin, prometendo mais velocidade para a confirmação de transações, menos taxas e mais escalabilidade. O Litecoin sempre teve o objetivo de ser uma moeda de aceitação geral e para ser utilizada como uma moeda de troca eficiente.

Ripple (XRP)

A criptomoeda XRP, que ora é chamada de Ripple (mesmo que a comunidade não concorde) tem objetivos similares ao do Litecoin. No entanto, enquanto o LTC quer ser uma moeda para o público, o XRP nasceu como uma ferramenta para grandes instituições e para bancos. Isso fez com que ela se tornasse um sucesso e por um tempo chegou a ser a maior altcoin do mundo, tirando o reinado do Ethereum.

Bitcoin Cash

O Bitcoin Cash também merece um lugar na lista de altcoins de destaque, isso porque a moeda foi um dos hard forks (versões) do Bitcoin que mais fez sucesso, criando uma comunidade bem fiel ao protocolo e também tendo uma boa valorização desde o seu começo.

Tether

Uma das altcoins que mais revolucionou o criptomercado foi o Tether, a mais famosa stablecoin do mundo. Com lastro em dólar, o Tether se tornou muito útil para liquidar diferentes contratos e transações com muito mais facilidade e menos atrito do que o uso direto do dólar.

Cardano

A Cardano foi criada em 2015 por Charles Hoskinson e é uma plataforma de blockchain que integra múltiplos serviços em um único lugar por meio de contratos inteligentes e aplicativos descentralizados que rodam em sua rede. Além é claro, de ter sua própria criptomoeda nativa de sua blockchain, o token Cardano (ADA). A Cardano chamou bastante a atenção de investidores institucionais pela sua tecnologia inovadora que lhe confere a característica de funcionar como uma grande rede de serviços de pagamentos, leitura e execução dos contratos inteligentes, voltada à bancos e instituições financeiras.

Chainlink

Chainlink também é uma plataforma de blockchains desenvolvida com o intuito de facilitar o uso de contratos inteligentes pelas empresas. Sua rede funciona como uma infraestrutura para registrar dados e transações que ocorrem em diferentes blockchains, um grande ponto a favor da Chainlink é sua interoperabilidade, ou seja, sua capacidade de operar e integrar diferentes blockchains. Isso acontece pois a Chainlink, funciona como um elo que conecta informações do mundo real (mundo offline) às blockchains que precisam de tais informações para executar seus contratos inteligentes. Seu próprio nome já indica tal função, chainlink é a junção das palavras chain e link, que significam ligação entre cadeias.

Stellar

A criptomoeda Stellar Lumens (XLM) é nativa da rede Stellar Networking, que foi desenvolvida com o intuito principal de funcionar como um meio de pagamento seguro, rápido e acessível, voltado sobretudo à remessas e transações internacionais. Com seu complexo sistema interno de funcionamento a Stellar Networking tem uma tecnologia capaz de aceitar transações feitas com moedas fiduciárias diferentes e a própria rede faz a conversão, eliminando essa responsabilidade das empresas e barateando o processo. A rede conta com alguns parceiros institucionais muito importantes que trouxe mais visibilidade para a cripto, como por exemplo, a gigante multinacional IBM.

EOS

A criptomoeda EOS também é nativa de uma plataforma de blockchain chamada de EOS.IO, capaz de criar e manter funcionando contratos inteligentes e aplicativos descentralizados. O token, ou criptoativo EOS tem um funcionamento similar ao token Ether na Ethereum, pois ele mantem toda a rede funcionando, como uma espécie de combustível. A EOS inclusive é vista no mercado como uma das principais concorrentes da Ethereum, pois ambas oferecem soluções parecidas, capazes de descentralizar outros serviços financeiros por meio de suas plataformas de blockchain. O diferencial da EOS é sua capacidade de escalabilidade, tanto no desenvolvimento de aplicativos descentralizados, os chamados dApps, quanto na quantidade de transações por segundo que a rede suporta. Além de um grande diferencial que é a não cobrança de taxas nas transações, graças ao seu diferenciado protocolo de consenso, que é chamado de DPoS, Prova de Participação Delegada.

DOGECOIN

A Dogecoin é uma altcoin totalmente diferenciada das demais. Ela foi criada num contexto inusitado como uma forma de homenagear um meme da internet do cachorro da raça Shiba Inu. Sem a menor pretensão de realmente funcionar como uma criptomoeda competitiva de mercado, a Dogecoin conseguiu aos poucos conquistar seu espaço no mercado cripto graças à sua ativa e engajada comunidade, sobretudo no fórum Reddit, onde o conceito da moeda surgiu. Por não ter um limite de moedas que podem ser inseridas no mercado por meio da mineração, ela não tem muitas expectativas de uma valorização expressiva. Mas, a moeda tem conseguido se valorizar com o incentivo dos investidores e de Elon Musk, CEO da Tesla e da Space X e um grande admirador de criptomoedas. Frequentemente Musk declara seu apoio à Dogecoin e causa movimentações para o ativo.

Quais as vantagens das altcoins?

Existem diferentes vantagens de utilizar as criptomoedas alternativas ao Bitcoin, tudo depende do que o investidor procura. Por exemplo, se alguém busca por anonimato, o Monero é a moeda mais vantajosa, já que ela oferece transações não rastreáveis. Caso a ideia seja realizar transações em dólar sem dificuldades temos o já mencionado Tether.  Como existem muitas altcoins, isso abre um leque de possibilidades de investimentos e usos.

Outra vantagem, essa um pouco mais “perigosa”, é que as altcoins podem gerar mais lucros, já que algumas moedas menores possuem potencial de crescimento no longo prazo.

Como é determinado o valor das altcoins?

O valor das altcoins, em grande parte dos projetos, é determinado pela mesma maneira que o valor do Bitcoin, por meio da oferta e demanda. O preço é ditado por quanto cada moeda é negociada e qual é o interesse delas em vários mercados e livros de oferta.

Claro, existem algumas altcoins com valores fixos ou com crescimento programado. No entanto elas dependem de uma entidade centralizada para controlar esses fatores e, com exceção das stablecoins, são bem arriscadas.

Por isso é importante sempre pesquisar muito bem antes de investir em uma altcoin e, claro, utilizar a Coinext para ter muito mais segurança e praticidade em suas negociações!

Leia também:

Mais nesta categoria
CONTEÚDO PRODUZIDO POR
Essas análises são de responsabilidade da Mercurius e não são uma recomendação de investimento.
Assine nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Coinext.
Obrigado! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Oops! Revise seu email e insira um válido.
Concorra a Bitcoins e R$10.000 em prêmios!
Participe da Promoção Indique e Ganhe. Compartilhe seu link de afiliados com amigos e concorra automaticamente.
SAIBA MAIS
Feedback