O Ether está subvalorizado: é hora de comprar? Report de janeiro da Mercurius Crypto

Confira as principais notícias do mercado de criptomoedas, os destaques do mês e muito mais no relatório de janeiro da Mercurius Crypto. Aproveite!

Por
Mercurius Crypto
27/1/2021
O Ether está subvalorizado: é hora de comprar? Report de janeiro da Mercurius Crypto

No report deste mês (01/01/2021 a 31/01/2021)

Atualização

  • Notícias do Mercado
  • Dica e destaque do mês

All Time High

  • 2017 vs 2021
  • Por que BTC?

Ascenção da ETH

  • ETH vs BTC
  • Mercado DeFi
  • Trava do ativo

Nova Alternativa

  • ETH 2.0
  • ETH na CME
  • O que esperar para o futuro?

Report completo disponível grátis aqui!

Por dentro do mercado

Microstrategy: a empresa está comprando na baixa

Após a correção sofrida pelo bitcoin no último mês, a Microstrategy anunciou a compra de mais de 10 milhões de dólares na criptomoeda. Com isso, a empresa já acumula mais de 600 milhões de dólares em bitcoins em seus balanços patrimoniais.

BlackRock: a maior gestora do mundo entrará em cripto

BlackRock, a maior gestora do mundo, com mais de 7.8 trilhões de dólares em gestão, anunciou que adicionará bitcoins em dois de seus fundos. A exposição será realizada através de contratos futuros da CME e marca a entrada de outro grande player no mercado de criptomoedas.

Dica do mês: guarde suas criptomoedas da forma correta

A custódia das criptomoedas é um dos temas mais complexos e importantes desse mercado, mas muitas pessoas ainda carecem de informações sobre.

Pensando nisso, como sabemos que muitos novos investidores possuem dúvidas sobre qual é a melhor forma de guardar seus ativos, nós produzimos um vídeo

atendendo a essa dor.

Destaque do mês

“Satoshi, we have a problem”

Quando penso na análise de um criptoativo ou de qualquer outra tecnologia, a capacidade de evolução é o fator mais significativo para mim.

Isso porque, nada (modelo de negócio, estrutura de governança, política monetária...) superará a habilidade do ativo de evoluir com as eventuais falhas que serão apresentadas ao longo do tempo.

(Imagem: Relatório Mercurius)

No mês de janeiro, observamos um atrito interno no principal grupo responsável pelo desenvolvimento do código do Bitcoin: o Bitcoin Core.

Como resultado disso, tivemos o afastamento de Wladimir Van Der Laan, um dos principais desenvolvedores do ativo. Laan afirmou, em uma carta aberta à

comunidade do Bitcoin, que seria necessário a descentralização do desenvolvimento do ativo, apontando um risco interno de centralização da maior

criptomoeda da atualidade.

All Time HIgh: o maior valor da história

ath-ethereum
(Imagem: Relatório Mercurius)

2017 VS 2021

2021 se iniciou como um ano único para o mercado das criptomoedas.

Nos primeiros dias do ano atingimos o valor de 1 trilhão de dólares de market cap do mercado. Só o Bitcoin foi responsável por 730 bilhões de dólares. Esse fato

concretizou o Bitcoin como principal criptomoeda do mercado e evidenciou que, diferente de 2017, esse momento de mercado se trata muito mais da concretização

de alguns ativos do que da ascensão do mercado de criptomoedas como um todo. Isso porque o fator responsável por essa alta do mercado foi a valorização do

Bitcoin, algo muito diferente de 2017, em que a maior parte do valor de mercado estava concentrado nas ICOs e em altcoins menores - com o movimento de alta

baseado na especulação desses ativos.

valor-de-mercado
(Imagem: Relatório Mercurius)

Por que mudou tanto?

A diferença desses momentos de mercado está ligada ao público responsável pela valorização em cada ano. Em 2017, tínhamos o mercado de criptomoedas dominado pelo investidor pessoa física, com menos de 1 bilhão de dólares sob gestão de fundos de criptomoedas (investidores institucionais).

Atualmente, além da presença do Bitcoin no balanço de empresas listadas em bolsa, como a Microstrategy, algumas das principais gestoras do mundo possuem bitcoins em seus fundos, como a BlackRock e a Fidelity.

Considero muito importante compreender o motivo pelo qual os investidores institucionais tomaram a decisão de investir em criptomoedas só agora, além de

entender o porquê a grande maioria deles se expôs apenas ao Bitcoin. Entendendo as motivações dos gestores, podemos entender melhor a possibilidade desses

investidores alocarem em outros criptoativos.

Porque Bitcoin?

A alocação no Bitcoin foi baseada em dois fatores principais provocados pelo cenário macroeconômico atual: a necessidade de diversificação para redução do risco sistêmico causado pela pandemia, e a busca de novos modelos de negócio ou novos segmentos para a rentabilização de portfólio, devido às quedas significativas das taxas de juros globais.

O Bitcoin se apresentou como uma alternativa excelente. Como o ativo possui uma baixíssima correlação com o mercado tradicional, seus diferenciais como reserva de valor (como portabilidade e segurança) não foram afetados pela pandemia. Além de sua resiliência, estamos falando de um mercado muito recente e com um potencial de valorização e crescimento significativo - caso o BTC venha a se tornar uma reserva de valor ou um meio de pagamento mainstream.

correlação-ativos
(Imagem: Relatório Mercurius)

Além da combinação de características que tornaram o Bitcoin tão atrativo nesse cenário de instabilidade global, existia um outro fator fundamental para a entrada

dos investidores institucionais: a existência de infraestrutura para o investimento de forma segura no ativo. Muito diferente de 2017, quando a criptomoeda não era listada em nenhuma grande exchange institucional e nem possuía empresas para a realização de custódia de forma regulada, em 2021 a CME se tornou um dos principais meios da entrada dos investidores institucionais, passando a ser um player de suma importância para essa Bull Run.

contratos-futuro-em-aberto-jan2021
Fonte: Bybt (Imagem: Relatório Mercurius)

Os futuros da CME possuíam um risco regulatório e de crédito muito menor do que as demais exchanges que oferecem derivativos em criptomoedas - como a Bitmex e

a Binance, além de exercerem um controle de alavancagem muito melhor para seus investidores em comparação com os players do mercado de cripto.

A falta desse profissionalismo sempre foi um deal breaker para os investidores institucionais entrarem em cripto pois, para eles, custódia, crédito e alavancagem

são os três maiores riscos do mercado de criptomoedas. Para a entrada massiva de fundos de investimento em alguma criptomoeda, seria fundamental a listagem do ativo em uma plataforma regulada e tradicional de derivativos, como aconteceu com o Bitcoin, aumentando ainda mais a distância do BTC para os outros criptoativos do mercado.

gráfico-riscos-investidores-institucionais
Fonte: The Block (Imagem: relatório Mercurius)
Quer acompanhar o restante deste relatório? Acesse o conteúdo completo totalmente de graça!
Mais nesta categoria
CONTEÚDO PRODUZIDO POR
Essas análises são de responsabilidade da Mercurius e não são uma recomendação de investimento.
Assine nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Coinext.
Obrigado! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Oops! Revise seu email e insira um válido.
Novas moedas na Coinext.
Você até dia 4 de abril.
Serão 5 novas criptomoedas listadas a partir de abril e você pode escolher suas preferidas entre 8 opções.
Vote agora
Feedback