O que são smart contracts?

Smart Contract ou Contrato Inteligente são programas muito utilizados no mundo das criptomoedas. Compreenda o que são e qual a sua utilidade.

Por
Equipe Coinext
Oct 1, 2020

Os smart contracts, também chamados de contratos inteligentes, representaram uma das principais evoluções dentro do setor da blockchain. Esses tipos de contratos permitiram uma série de novas aplicações financeiras. Hoje os smart contracts são a base de diferentes serviços descentralizados e são a fundação para todo o setor de Finanças Descentralizadas (DeFi) que tanto cresce atualmente.

O conceito de um contrato inteligente foi desenvolvido no começo da década de 90 por Nick Szabo, criador do Bit Gold e um dos suspeitos de ser Satoshi Nakamoto. A ideia por trás de um Smart Contract é bem simples: Criar uma forma de executar uma transação com regras e determinações, mas sem a necessidade de um auditor centralizado ou mediador.

Assim como os contratos físicos, os contratos digitais possuem diversas cláusulas que devem ser cumpridas e respeitadas, porém isso é feito de forma automática. Os smart contracts surgiram como uma forma de agilizar procedimentos descentralizados, além de permitirem diferentes aplicações para as criptomoedas, além do Mercado P2P.

Entenda mais sobre como os smart contracts funcionam, como eles protegem as transações e as principais criptos a utilizarem essa ferramenta.

Como smart contracts funcionam?

Os contratos inteligentes ajudam pessoas e plataformas a realizarem diversas transações de ativos, dinheiro ou até propriedades sem a necessidade de um intermediário para determinar a legalidade do contrato. Eles também são seguros (quando bem programados) já que o código é a lei e não está passível de erros de interpretação.

Eles oferecem transações com transparência, eficiência e sem atritos ou conflitos que podem atrasar negociações.

Os contratos inteligentes são programados com uma série de regras e de determinações, com base em “se, então” que garantem o seu funcionamento através da lógica básica de toda programação para computação. Vamos tentar entender isso melhor através de um exemplo.

Vamos supor que um contrato inteligente foi elaborado para a compra de um imóvel.

Neste smart contract será programado que valor X será entregue quando propriedade Y for transferida. O dinheiro pode ser “colocado” no contrato e será liberado para o vender apenas quando a transferência da propriedade for comprovada. O algoritmo cuida de tudo, sem que alguém precise confiar em um terceiro ou até mesmo confiar na outra parte envolvida na transação.

Claro, esse é apenas um exemplo básico, hoje em dia há contratos inteligentes complexos e que permitem setores financeiros completamente descentralizados existam. Alguns contratos funcionam como bancos, oferecendo empréstimos e aplicando punições por pagamentos atrasados. Há também contratos inteligentes que funcionam como “poupança” com o investidor emprestando dinheiro para um protocolo DeFi e recebendo juros por isso.

Como eles protegem as transações da blockchain?

Um fato importante sobre os smart contracts é que eles são programas de computador em uma linguagem bem mais leve e que cabe dentro de um bloco da blockchain. Por serem construídos com base nos sistemas distribuídos eles herdaram muitas vantagens dessa nova tecnologia.

Uma vez que um contrato inteligente é criado ele se torna imutável, assim como os outros dados na blockchain. Eles também não podem ser manipulados ou fraudados por pessoas mal intencionadas na rede e também não podem ser hackeados ou derrubados.

Sendo assim, um smart contract bem programado (e preferencialmente auditado) é a garantia de que o que foi acordado será cumprido. Protegendo as transações realizadas no campo descentralizado, independentemente do tamanho e dos termos.

Qual o objetivo dos smart contracts?

Os smart contracts nasceram e até hoje evoluem para aumentar o objetivo das criptomoedas: trazer descentralização e inclusão para todo o setor financeiro. Os contratos inteligentes oferecem a descentralização de diferentes tipos de serviços, garantindo um ambiente mais prático e muito mais eficiente.

No entanto, um dos principais valores dessa tecnologia está na inclusão financeira. É possível participar de diferentes maneiras de um ecossistema financeiro descentralizado regrado por smart contracts, algo que muitas pessoas não podem fazer com os bancos ou casas de crédito.

É possível conseguir empréstimos ou ser um credor sem os problemas de ter que lidar com os Bancos ou com diferentes políticas monetárias locais. Essa é uma tecnologia que tem o potencial de expandir a ideia de que as criptomoedas servem de banco para os que estão fora do sistema financeiro.

Os contratos também podem encurtar e facilitar o desenvolvimento de diferentes projetos, garantindo mais segurança para os dois lados e cortando o intermediário, como acontece atualmente.

Quais criptos utilizam os smart contracts?

No criptomercado os contratos inteligentes ganharam muita força com o Ethereum e até hoje essa blockchain é que tem o maior uso desses contratos, principalmente uma vez que o DeFI começou a ficar muito popular recentemente.

A história do Ethereum com os contratos inteligentes é longa e até mesmo complexa, já que um problema com o smart contract DAO foi responsável por dividir a comunidade para sempre.

A blockchain NEO, ora chamada de Ethereum chinês, é um dos projetos que também faz muito uso dos contratos inteligentes e se destaca por utilizar uma linguagem de programação descomplicada para que desenvolvedores de diferentes ambientes possam utilizar a plataforma.

O projeto Waves também merece ser mencionado quando falamos de contratos inteligentes. Nascida em 2016 a blockchain tentou aprimorar o uso desses contratos e criar uma blockchain mais ágil para essas soluções.

Por fim, fica aqui uma curiosidade: O Bitcoin também pode usar contratos inteligentes, a primeira criptomoeda do mundo possui a habilidade de rodar smart contracts em sua blockchain. No entanto, a ideia não pegou muito por causa da escalabilidade e da velocidade da rede. Mas os contratos inteligentes de outras blockchains podem usar o Bitcoin como parte de sua programação.

Quais as vantagens dos smart contracts?

As principais vantagens dos contratos inteligentes para o ecossistema das criptomoedas são:

  • Eficiência – Os contratos inteligentes removem completamente a necessidade de análise de documentos e outros processos trabalhosos que acabam tornando diferentes tipos de transações muito mais lentas.
  • Autonomia – Com o fim do intermediador ou um facilitador, as partes da negociação possuem mais autonomia e controle no acordo.
  • Confiança – Ao herdar os elementos da blockchain o contrato inteligente garante que os seus documentos, dados e dinheiro não serão roubados por ninguém. Não é nem necessário confiar na outra pessoa que está participando do acordo, já que a programação do contrato garante que os critérios serão cumpridos.

Além disso, caso os contratos inteligentes sejam adotados por grandes corporações é possível economizar muito mais dinheiro, além de agilizar muitos processos. Mas vale aqui uma ressalva: os contratos inteligentes ainda são uma tecnologia recente e ainda precisam ser aprimorados para uma adoção maior no futuro.

Mais nesta categoria
Ver todos >
CONTEÚDO PRODUZIDO POR
Essas análises são de responsabilidade da Mercurius e não são uma recomendação de investimento.
Assine nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Coinext.
Obrigado! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Oops! Revise seu email e insira um válido.
Feedback