Super Semana Cripto | 16 a 20 de abril | Inscreva-se

Taxação de exchanges internacionais

Mas afinal, como funcionará a taxação de exchanges internacionais? Quais serão as alíquotas? Quais serão as principais mudanças com a nova regulamentação?

Equipe Coinext
Última atualização:
1/4/2024

O ano que está começando promete ser bastante movimentado para quem lida com o mundo das criptomoedas. 2024 será marcado pelo quarto Bitcoin Halving da história, que reduzirá a emissão de novos bitcoins pela metade. Fato que faz com que as criptomoedas como um todo fiquem valorizadas.

Entretanto, elas também estarão no radar dos investidores por outro motivo. A nova tributação de investimentos no exterior que afetará diretamente aqueles que têm suas criptomoedas aportadas nas exchanges internacionais. 

Mas afinal, como funcionará a taxação de exchanges internacionais? Quais serão as alíquotas? Quais serão as principais mudanças com a nova regulamentação? Essas são dúvidas comuns em relação à nova legislação. 

Para te ajudar a entender melhor sobre a taxação e se preparar para a sua implementação, nosso time de especialistas preparou este conteúdo. Continue a leitura!

Taxação das exchange: o que é?

No dia 12 de dezembro de 2023, o presidente Lula sancionou o Projeto de Lei nº 4.173/2023, convertendo-o na Lei nº 14.754. Essa legislação tem como principal foco tributar investimentos alocados fora do país, o que também inclui as criptomoedas. 

Com a promulgação da lei, pessoas físicas que residem no Brasil para fins fiscais terão a tributação sobre os ganhos de seus investimentos feitos no exterior alterada significativamente. Além disso, a lei também irá alterar os tributos em fundos de investimento, sobretudo os fechados. 

Sendo assim, pessoas que têm rendimentos em Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH) e outras criptomoedas em corretoras internacionais como na Crypto.com, Kraken, Coinbase, Binance, entre outras —  acima de R4 6mil terão o imposto recolhido no Imposto de Renda sobre os ganhos realizados. Ainda, a regra valerá independente da faixa de renda a ser declarada no IRPF. 

O projeto sancionado pelo presidente, além da definição das alíquotas, também estabelece penas para práticas ilegais que envolvem criptoativos, como esquemas de pirâmides e golpes. Isso faz com que ações que desestabilizem a estabilidade do mercado de Bitcoin diminuam e os investidores sejam protegidos contra essas práticas.

Quais serão as mudanças na tributação de criptomoedas?

Na legislação anterior, os investimentos de pessoas físicas eram tributados de forma isolada, com alíquotas que cresciam gradativamente a depender da renda obtida e não incluíam as criptomoedas. 

Ou seja, as alíquotas eram progressivas sendo cobradas por ganhos de capital, dividendo e juros da seguinte forma:

  • 15% para ganhos de até R$ 5 milhões;
  • 17,5% para ganhos entre R$ 5 e R$ 10 milhões;
  • 20% para ganhos entre R$ 10 e R$ 30 milhões;
  • 22% para ganhos de capital superiores a R$ 30 milhões. 

Com a nova regra, os rendimentos de capital aplicado no exterior — o que inclui os ganhos de capital em cripto de exchanges internacionais — nas modalidades de aplicações financeiras e de lucros e dividendos de entidades controladas irão mudar. 

Agora, os ganhos de capital, dividendos e juros aplicados no exterior passarão a ter uma alíquota fixa de 15% no ajuste anual do Imposto de Renda de Pessoas Físicas. Assim, esses ganhos possivelmente estarão registrados em fichas específicas nas futuras declarações. 

Sendo assim, aqueles que possuem Bitcoins e outras criptomoedas mantidas em corretoras internacionais terão esse imposto cobrado em seu Imposto de Renda quando houver ganho de capital conforme as regras impostas. 

A nova Lei afetará os seguintes investimentos:

  • Certificados de depósitos remunerados;
  • Depósitos bancários remunerados;
  • Criptoativos;
  • Ativos virtuais;
  • Carteiras digitais ou contas-correntes com rendimentos;
  • Cotas de fundos de investimento (exceto os tratados como entidades controladas no exterior);
  • Instrumentos financeiros;
  • Apólices de seguro (resgatáveis pelo segurado ou beneficiários);
  • Certificados de investimento ou operações de capitalização;
  • Fundos de aposentadoria ou pensão;
  • Títulos de renda fixa e de renda variável;
  • Operações de crédito, inclusive mútuo de recursos financeiros (com devedor residente ou domiciliado no exterior);
  • Derivativos;
  • Participações societárias (exceto as tratadas como entidades controladas no exterior), incluindo os direitos de aquisição.

Imposto de 15% para Bitcoin fora do Brasil

Desde o início da elaboração desse Projeto de Lei, quando se discutia a taxação de exchanges internacionais, era comum haver preocupações sobre a possível taxação do próprio Bitcoin.

Entretanto, o que realmente acontecerá é que a Lei nº 14.754 irá tributar os ganhos provenientes de todos os tipos de investimentos internacionais mencionados anteriormente, o que inclui os ganhos obtidos por meio de investimentos em criptomoedas em exchanges internacionais. Portanto, a tributação incide sobre os ganhos desses investimentos e não diretamente sobre as criptomoedas em si.

Quando as novas regras de taxação de exchanges internacionais irão valer?

As novas regras para a taxação de ganhos em exchanges internacionais começaram a valer em 1º de janeiro. Assim, os rendimentos dos ganhos em criptomoedas e outros investimentos internacionais se submetem ao Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) com a nova alíquota fixa em 15%.

Esse valor poderá ser pago à vista, até 31 de maio de 2024, mas também será possível parcelar em 24 meses, com as devidas correções pelos juros Selic.

Além disso, também houve a possibilidade de antecipação do imposto. Dessa forma, a alíquota reduziu para 8% para quem realizou o processo.

Para rendimentos apurados até 30 de novembro de 2023, os pagamentos puderam ser feitos em quatro parcelas, nas seguintes datas:

  • 29 de dezembro de 2023;
  • 31 de janeiro de 2024;
  • 28 de fevereiro de 2024 (assumindo que 2024 não é um ano bissexto);
  • 29 de março de 2024.

Para rendimentos apurados de 1º de dezembro a 31 de dezembro de 2023, a retenção do imposto será feita até o final de maio de 2024, e o recolhimento deverá ser efetuado até 5 de junho de 2024.

Corretoras de criptomoedas brasileiras serão taxadas?

Os rendimentos de investimentos em criptomoedas, quando alocados em exchanges brasileiras, não serão taxados pela Lei nº 14.754. A nova legislação prevê apenas a tributação de rendimentos em criptoativos que estão no exterior.

As corretoras brasileiras são consideradas entidades situadas fiscalmente no Brasil. Portanto, seus rendimentos não estão sujeitos à tributação como prevista na lei. É preciso que as exchanges estejam conforme a legislação tributária vigente e cumpram com as regras de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento ao terrorismo.

Com o Bitcoin Halving chegando em 2024, o ano se mostra promissor para quem deseja investir em criptoativos. Por essa razão, se tem interesse em moedas digitais sem o ônus de impostos elevados, este pode ser um bom momento para considerar empresas brasileiras. Dessa forma, você pode fugir da taxação de exchanges internacionais.

Invista em criptomoedas com a Coinext!

Agora que você sabe como irá funcionar a taxação de exchanges internacionais, conte com o auxílio de uma corretora 100% brasileira nos seus investimentos em cripto. 

A Coinext está desde 2017 no mercado, e oferece uma interface segura e de fácil usabilidade para quem deseja iniciar no mercado de Bitcoin e outras criptomoedas e também para aqueles que desejam trazer seus investimentos de fora para o Brasil.

Abra sua conta grátis

Sobre o autor
Equipe Coinext
Conteúdos preparados por especialistas em criptomoedas. A equipe da Coinext conta com nomes importantes e com conhecimento para passar as melhores informações sobre Bitcoin e outros principais criptoativos.
Mais nesta categoria
🎁
Ganhe até R$25 em
Bitcoin e mais criptos
Invista a partir de R$10 pelo aplicativo Coinext®.
4,7
Inscreva-se