Bitcoin: Quanto vale um Bitcoin? Qual o mínimo para investir?

Você sabe qual o valor mínimo para investir em Bitcoin? Entenda como funciona o preço do Bitcoin e entenda que com pouco dinheiro já é possível investir.

Por
Equipe Coinext
19/7/2021
Bitcoin: Quanto vale um Bitcoin? Qual o mínimo para investir?

O Bitcoin, a primeira e maior criptomoeda do mundo, atualmente avaliada em US$31 mil, com uma capitalização de mercado de mais de US$600 bilhões, foi definitivamente o melhor investimento da última década, superando em muito todos os índices de ações, o ouro e todo o mercado financeiro.

Um investimento de R$10 em 2011, dois anos após a criação do Bitcoin em 2009, teriam se transformado em R$3,4 milhões.

Este crescimento exponencial é certamente o que chamou a atenção de muitos investidores ao longo dos anos. Estimativas apontam que já existem entre 100 milhões e 300 milhões de pessoas utilizando a rede no mundo neste momento.

Claro, a sua tecnologia revolucionária e sua utilidade certamente são os fatores que fazem o preço subir tanto, mas certamente o aumento dos preços é um grande marketing para a criptomoeda, que explode de tempos em tempos com a entrada de novos investidores que desejam obter altos rendimentos.

Mas afinal, quanto vale um Bitcoin e como este valor é calculado? Veja o que você vai aprender no artigo de hoje:

  • Quanto vale um bitcoin?
  • Como é determinado o valor do Bitcoin?
  • Oferta e procura
  • Aceitação no mercados
  • Qual o valor mínimo para se investir no Bitcoin?
  • Tabela de valores

Vamos lá?

Quanto vale um bitcoin?

Para quem está iniciando no mercado, pode ser difícil compreender como é definido o valor de um Bitcoin e mais ainda acompanhar as flutuações da moeda. Porém, existem alguns conceitos que podem ajudar a entender quanto vale um Bitcoin e como ele é precificado. 

O Bitcoin consegue se manter como um ativo digital, escasso e deflacionário, tudo isso a partir de suas características e de seu funcionamento singular.  Explicando de maneira bem sucinta, ele é um ativo digital pois é uma moeda de uso exclusivo no ambiente digital. E consegue ser escasso e deflacionário pois ele possui em seu documento oficial, o white-paper, certas normas de seu funcionamento que o conferem essas características. Duas delas são as mais importantes para entender como se dá o seu valor, o processo de halving e o fato de que o Bitcoin é uma moeda que possui um número limite de unidades que podem estar em circulação.

De maneira bem resumida, para que o Bitcoin exista precisam haver servidores responsáveis por validar as transações da moeda que ocorrem na blockchain. À medida que estes servidores executam esta validação, são recompensados com moedas de bitcoin, processo chamado de mineração. Por regra, aproximadamente a cada 4 anos essa recompensa paga aos mineradores de bitcoin é cortada pela metade, o que automaticamente corta também a entrada de novas unidades da moeda no mercado. Esse processo acontecerá até que o Bitcoin atinja o valor limite de unidades que podem estar no mercado, de 21 milhões, e está previsto para acontecer apenas no ano de 2140.

Na prática, este processo torna o Bitcoin cada vez mais escasso, o que por consequência, aumenta sua valorização com o passar dos anos. É inclusive por esta razão que o Bitcoin é comparado ao metal precioso mais valioso e escasso do mundo e chamado de ouro digital.

Existe também a questão do lastro. O lastro funciona como uma garantia de valor de alguma coisa, seja um título, uma moeda ou um ativo financeiro. Antigamente, moedas fiduciárias eram lastreadas ao ouro, ou seja, para um que um país pudesse emitir novas moedas ou notas, precisava haver uma quantidade de ouro que equivalesse o valor, como uma garantia que o país realmente tinha tal valor para emitir as moedas.

Porém, as criptomoedas não são lastreadas ao ouro, nem à outro tipo de metal precioso. Com exceção das stablecoins, que são criptomoedas lastreadas à alguma moeda fiduciária, como o Tether USDT, que possui lastro ao dólar, as demais não possuem este lastro.

Existe também o ponto da fungibilidade. De maneira resumida, fungibilidade é a característica da permutabilidade, é o que garante que R$50 são R$50 em qualquer lugar do mundo, sob quaisquer circunstâncias. O Bitcoin possui certo grau de fungibilidade, pois ele precisa ter valor aproximado em qualquer lugar do mundo.

As corretoras, por conveniência, buscam seguir a cotação universal da moeda, podendo haver alguma diferença de uma para a outra. No entanto, no modelo de negociação P2P (ponto a ponto), as pessoas negociam diretamente umas com as outras, sem o intermédio de uma corretora. Como é uma negociação informal, as pessoas podem vender ou comprar o Bitcoin por um preço combinado entre elas, sem necessariamente seguir a cotação universal.

Sendo assim, como é, de fato, definido o valor de um Bitcoin? O que pode influenciar no seu valor de mercado?

Como é determinado o valor do Bitcoin?

A única garantia que a rede do Bitcoin possui é que 1 bitcoin será sempre igual a 1 bitcoin, dentre 21 milhões de bitcoins, aqui entra a questão da fungibilidade. O seu preço, no entanto, é definido através da lei de oferta e demanda em um livre mercado mundial, e é claro, sua cotação sofre flutuações por influência de alguns fatores externos também.

Isso significa que o preço de mercado do Bitcoin é definido pelo ponto de equilíbrio entre os vendedores e os compradores. Se eventualmente houver maior força compradora do que vendedora em um mercado, o preço tende a subir, e o contrário também é verdade.

No caso específico do Bitcoin, outros fatores podem influenciar também, como o halving que a moeda sofre, conforme explicamos acima. Observe no gráfico o valor da moeda após os últimos eventos de halving, que foram 2020, 2016, 2012.

halving do btc
Gráfico dos halvings do BTC. (Imagem: TradingView)

Oferta e demanda

Oferta e demanda é talvez um dos conceitos do universo financeiro mais fáceis de serem compreendidos. Para ofertarmos algum produto, ou serviço, é preciso que haja pessoas ou empresas interessadas em adquirir tal produto ou serviço, ou seja, é preciso ter demanda. 

Neste caso, para estabelecer o preço de tal produto ofertado, é preciso que haja um certo acordo entre a parte vendedora e a parte compradora, já que uma precisa da outra para existir. No mercado de investimentos, isso fica ainda mais claro quando falamos em força compradora e força vendedora e como elas precisam manter um certo equilíbrio.

Na prática, isso significa que, quanto maior o preço de um ativo, maiores são os incentivos para a venda de quem o possui. E quanto menor o preço, maiores são os incentivos para a compra daqueles que desejam começar a investir ou aumentar suas participações.

É por meio deste princípio, dentre outros fatores, que todos os bens são precificados, sejam itens consumíveis como arroz ou feijão ou ativos financeiros, como bitcoins, ações, títulos, imóveis, ouro e moedas estrangeiras.

Aceitação nos mercados

Outro ponto que influencia bastante na precificação de algum ativo é sua aceitação nos mercados, tanto de maneira mais interna, restrita a aceitação nos mercados financeiros e de investimento, quanto a adesão/utilidade que o ativo representa para a sociedade como um todo. No mercado de investimentos, conseguimos perceber com mais facilidade e clareza como a aceitação do ativo neste meio pode impactar seu valor de mercado. Afinal, se o investimento em questão não tiver certa procura (aceitação) nas grandes bolsas e locais formais de negociação dos mesmos, o ativo tende a não ter muita valorização em seu valor de mercado. 

Na prática, os preços podem acabar sofrendo reflexos das movimentações nas grandes bolsas, as chamadas exchanges, onde muitos vendedores e compradores se reúnem para realizar trocas.  Desta forma, com as informações entre as compras e vendas, os preços acabam surgindo. Claro, sempre existe alguma diferença de preço, entre as exchanges e empresas, por algumas diferenças nas legislações e jurisdições dos países, que acaba por refletir um pouco no preço do ativo e de funcionamento interno de cada corretora.

Contudo, as compras e vendas nos mercados de balcão, negociações formais ou informais também tendem a afetar o preço de negociação, não imediatamente, mas também impactam na liquidez e escassez do ativo. No universo das criptomoedas, existem as comercializações P2P, que explicamos acima, que não envolvem o intermédio de uma corretora. Neste modelo de investimento, os usuários fazem a troca das criptomoedas praticamente na base da confiança, já que não há garantias que o usuário irá te enviar o dinheiro, após você enviar as suas criptomoedas. Mas, é importante considerarmos tal mercado também, para entender as flutuações de preço do Bitcoin, afinal, afetam o volume de tokens que são operados, o que consequentemente afeta o valor de mercado.

E por fim, com as criptomoedas é importante considerarmos também sua tecnologia e inovação e como isso impacta no mundo institucional. Uma vez que empresas percebem que a tecnologia blockchain pode ser utilizada para descentralizar outros serviços e otimizar processos, a demanda pelo ativo que utiliza tal blockchain aumentará, impactando diretamente na cotação da moeda no mercado.

Qual o valor mínimo para se investir em bitcoin?

Um grande ponto diferencial das criptomoedas, é a possibilidade de você poder negociar praticamente o valor que quiser, sem necessidade de comprar 1 unidade inteira da respectiva moda. É claro que, as corretoras costumam exigir um valor mínimo para iniciar suas negociações, uma vez que toda transação tem um custo para a mesma. Aqui na Coinext, nós temos o valor mínimo de R$25,00 para o primeiro depósito do investidor. Ou seja, com apenas R$25,00 você consegue realizar o seu investimento, já que a abertura e manutenção da conta em nossa plataforma, é gratuita.

Portanto, você não precisa negociar 1 Bitcoin inteiro. É possível negociar qualquer valor acima de R$25,00, você investe somente aquilo que realmente tem disponibilidade. A compra ou venda dos bitcoins ocorre de maneira proporcional ao atual valor de mercado da moeda. 

Assim como o ouro, o Bitcoin é um ativo custodial, isso significa que se alguém tem a sua posse, pode negociá-lo com quem quer que seja, e tentar estabelecer seu próprio valor para o ativo. É o que ocorre nas ordens tipo Limit, ou limite, na qual o investidor pode estabelecer o valor de compra ou de venda do ativo que deseja, embora não seja garantia de que a operação será executada, pois é necessário que haja um vendedor ou comprador, interessado em realizar a negociação sob aqueles valores estipulados.

Contudo, o que acontece normalmente, e por motivos óbvios, são os investidores estabelecerem valores para as operações que sejam próximos e condizentes com o valor de mercado do ativo.  Afinal, não faz sentido que uma pessoa tente vender seus bitcoins por R$500.000 se o valor de mercado da moeda atual é de R$160.000. Dessa forma, o preço de mercado é um parâmetro para um valor justo entre os compradores. 

Na prática, qualquer valor em Bitcoin pode ser comprado ou negociado, até mesmo por bens que não o dinheiro fiduciário. Nada impede alguém de vender bitcoins a troco de queijos ou obras de artes. Inclusive, um caso bem famoso exemplifica isto, o Bitcoin Pizza Day, no qual marcou a primeira vez em que a moeda foi utilizada como um meio de compra direto para um produto. Um programador chamado Laszlo Hanyecz, ofereceu 10 mil BTC em troca de 2 pizzas, o que equivaleria aproximadamente R$ 518,1 milhões atualmente. 

Por exemplo, se você deseja comprar o valor mínimo em bitcoins aqui na Coinext, para se introduzir neste mercado e ir começando aos poucos, na prática você está comprando uma fração do bitcoin, proporcional ao valor de 25 reais. E o interessante é que você está sujeito às mesmas valorizações percentuais do que quem compra 1 bitcoin inteiro. Se a moeda valorizou 20%, o seu investimento inicial também valorizará 20%, porém de maneira proporcional ao valor aportado. 

Para ficar ainda mais claro, acompanhe a tabela abaixo, que exemplifica quanto, em unidades de bitcoin, você possui investindo X reais, a partir do nosso valor mínimo. Para interpretar a tabela, considere a primeira coluna os valores em reais que você poderia investir. A coluna do meio é o valor da cotação da moeda, ou seja, seu valor de mercado. Enquanto a terceira coluna corresponde às unidades de bitcoins que você terá ao investir aquele valor. 

Para ir além, a conta que é feita é uma simples regra de três: para saber quanto de bitcoin você possuirá, basta dividir o valor do seu aporte, pelo valor de mercado atual da moeda. Você pode usar esta conta também para criar suas ordens Stop ou Limit na nossa plataforma de trade, as quais são necessárias estabelecer as quantidade de bitcoins que se quer negociar, e por qual valor.

1 BTC  = valor atual da cotação da moeda

x BTC =  valor em reais que se quer investir/ valor do seu aporte

Em seguida, realizar as operações, até que fique x BTC = valor do seu aporte / valor da cotação atual da moeda.

Tabela de valores

Tome como valor de mercado, a atual cotação do bitcoin no momento em que escrevo este artigo, aproximadamente US$30.850, equivalente a R$160 mil.

quanto-vale-um-bitcoin
(Imagem: Coinext)

Ficou mais claro como devem ser feitas as contas para se investir e como é definido o preço de um Bitcoin? Agora, é só colocar em prática! Lembre-se de criar a sua conta gratuita e acompanhar nossos conteúdos educativos em nossas redes sociais.

Mais nesta categoria
CONTEÚDO PRODUZIDO POR
Essas análises são de responsabilidade da Mercurius e não são uma recomendação de investimento.
Assine nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Coinext.
Obrigado! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Oops! Revise seu email e insira um válido.
Concorra a Bitcoins e R$10.000 em prêmios!
Participe da Promoção Indique e Ganhe. Compartilhe seu link de afiliados com amigos e concorra automaticamente.
SAIBA MAIS
Feedback